Evento debate o papel do empresário na construção do país

O presidente da CNDL, José César da Costa, participou nesta quarta-feira (20) da abertura do 5° Fórum CACB Mil, promovido pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), em Brasília. Com o tema O papel do empresário na construção de um novo Brasil, o evento propõe um debate nacional sobre a importância do associativismo, liderança empresarial, rumos econômicos do país, inovação e comércio internacional.

A CACB é uma das oito entidades que compõem a União Nacional das Entidades de Comércio e Serviços (UNECS), ao lado da CNDL. Completam o grupo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS); a Associação Brasileira dos Atacadistas e Distribuidores (ABAD); Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL); Associação Brasileira de Automação para o Comércio (AFRAC); Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (ALSHOP); e a Associação Nacional dos Comerciantes de Material para Construção (ANAMACO). 

“O comércio é um setor muito importante da economia e esse tipo de evento valoriza a necessidade de união e a importância de as entidades representativas debaterem e sugerirem soluções para temas relevantes para o Brasil”, disse o presidente da CNDL.

A abertura teve a presença do ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima; do ministro interino da Justiça, Gilson Libório; do secretário de Comércio e Serviços do MDIC, Douglas Finardi; e do presidente da AFRAC, Zenon Leite, entre outras autoridades e líderes.

Em seu discurso, o presidente da CACB, George Pinheiro, destacou a importância de que os empresários discutam melhores projetos para o país e a esperança de que, em outubro, sejam eleitos representantes comprometidos com a democracia e o desenvolvimento econômico. “É preciso priorizar investimentos em educação, tecnologia e o estímulo à inovação”, afirmou.

A diretora técnica do Sebrae, Heloisa Menezes, presidente em exercício da instituição, destacou que este é um momento de desafios e oportunidades. “O consumidor influencia e é influenciado pelas redes, valoriza a sustentabilidade e exige um atendimento customizado. Por isso, a inovação é uma agenda que devemos priorizar”, pontuou.